E viva o poder transformador da Resiliência!

Gente, estou numa correria sem fim. Hoje faltam exatos 15 dias para o Casamento Religioso e amanhã ao meio dia casamos no Civil. Então pensem numa pessoa sem tempo.

Mas eu deixo com vocês algumas frases escritas por mim em momentos de inspiração, advindos de momentos de resiliência. Vocês já ouviram essa palavra antes?

A primeira vez que ouvi falar dela, foi num dos meus dias de Coaching, em que a Ana Garlet, pediu para que eu escrevesse um texto sobre um dos vídeos do Ted Talk Show. Pra quem quiser assistir o vídeo, é só clicar AQUI e logo abaixo do vídeo escolher a legenda em português. Confesso que achei o vídeo em si um tanto chato, mas essa questão da Resiliência é muito bacana!

Roubei a conceituação do Wikipédia pra ficar um pouco mais fácil de vocês entenderem do que eu estou falando:

“A resiliência é um conceito psicológico emprestado da física, definido como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse etc. – sem entrar em surto psicológico. No entanto, Job (2003), que estudou a resiliência em organizações, argumenta que a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades.”

Então agora as frases:

“Minhas sinceras saudades dela. E daquele tempo em que era fato que ao errarmos, tínhamos de começar tudo de novo e não agir de uma forma prática e rápida, clicando num simples Delete ou um Ctrl+Z”!

“A maioria das pessoas, por medo de submergir nas profundezas de si mesmo, prefere planar pela mesmice da sua superficialidade. Essas jamais terão o prazer de descobrir quem são de verdade. E jamais descobrirão as belezas que moram dentro de si”.

“E se por dentro a organização e a necessidade de mudanças exigem um pouco mais de tempo, comece organizando, mudando o ‘de fora’. O importante é começar e jamais desistir”. 

E VIVA O PODER DE ESCOLHA QUE TEMOS, DE TRANSFORMAR OS MOMENTOS DE DOR, EM MOMENTOS DE RENOVAÇÃO E RENASCIMENTO!

E pra quem ainda não ouviu a minha participação no Programa “Café com Polêmica”, é só clicar AQUI.

Arte que eu criei pros meninos.

E amanhã tem reportagem comigo e com o Marco, no Programa Patrola, às 11:40, falando um pouco sobre casamento.

Agora, bóra correr que hoje eu tenho a última prova do vestido de noiva!!!!!!!!!!!!!!!!!1

beijo beijo

“Café com Polêmica”, “Programa Patrola” e “muá”.

Como eu já tinha dito nessa semana, segunda feira gravei uma participação no Programa “Café com Polêmica”. E hoje, foi divulgado o conteúdo do programa 18 (adorei a logo rapazes), que foi o qual eu gravei.

Indo fazer a minha participação!

Confesso que apesar de odiar a minha voz gravada e de ter travado um pouco na hora de falar, ao invés de escrever (como o meu superego já tinha dito antes), que é como eu considero que me comunico melhor, AMEI (com força) o resultado. Acho que ficou bem claro o que eu quis levar para os ouvintes do Programa e as músicas inseridas durante a gravação ficaram MUITO boas, divertidas e conexas!

Fotinho descontraída. Fiquei péssima mas eles escolheram justamente a que eu dei uma descontraída!

Então, mais uma vez agradeço a oportunidade que vocês me deram e vou continuar torcendo pelo sucesso de vocês. Pra quem quiser ouvir, clica AQUI ou curte a Fan Page do Programa no Facebook, que lá tem mais algumas informações sobre a minha participação.

Aqui esta a descrição do episódio 18. Amor, viu que linda a dedicação deles….hahahaha.

“O homem atual pode afirmar que nesta longa estrada da vida não está sendo fácil viver assim.

O programa dezoito é um tapa na cara da sociedade e revela o papel do ser masculino nos dias atuais – ou pelo menos mostra onde a mulher acha que eles deveriam estar.

Chamamos a mãe, noiva, empresária, psicóloga, analista de relacionamentos e dona do bloghttp://julianabaronpinheiro.com – a dona Juliana Pinheiro. Ela prega que “a mulher é a logística e o homem, o transporte”. Oi?

Junte seus amigos, ouçam nosso novo, divertido e polêmico episódio. Saiam pelas ruas, batam panelas e queimem cuecas. Exijam seus direitos.

Este episódio é dedicado ao futuro marido da Juliana, um grande Marco na vida da moça”.

E como eu também já tinha comentado, ontem gravamos uma participação no Programa “Patrola” (da afiliada da Globo aqui em Santa Catarina), falando um pouco sobre a importância da fotografia no casamento. A convite da nossa fotógrafa, querida-amada-fofa, Ana Corrêa, falamos um pouco sobre a nossa experiência no ensaio pré-casamento e fizemos um mini ensaio (já que no dia em que fizemos o oficial, o Programa não pode comparecer) pra mostrar um pouco o quão gostoso é passar esses momentos com o noivo, às vésperas do grande dia.

Apesar de ontem ter sido um dia “não tão bom” pra mim, por questão particulares, e apesar de ter vergonha de falar, ainda mais para a televisão, adoramos a participação. A Ana diz que nós somos um casal especial e sabendo que eu gosto de escrever sobre sentimentos e sobre casamento, fez questão que nós fôssemos os entrevistados nessa reportagem com ela. A equipe do Patrola, principalmente a sua apresentadora, Jordana Pires, foram super amáveis, divertidos, profissionais e nos deixaram, eu e o Marco (que estava tenso por causa da mesma vergonha que eu sinto), super à vontades e a gravação correu de uma forma mega descontraída.

O lugar escolhido para gravarmos a reportagem, por sugestão minha, foi o “Verde & Cia – Garden Center” (do qual eu já falei num post AQUI no blog Delicinhas de Pera).

Verde & Cia anunciando a chegada da estação mais florida do ano.

Tiramos algumas fotos e quando vimos, já estávamos sendo entrevistados. Foi tudo bem espontâneo e a experiência e leveza da Jordana em conduzir a entrevista, fez com que fôssemos o mais espontâneos possíveis também. Agora é esperar pra ver o resultado.

Jordana Pires, apresentadora do Patrola (uma fofa), com o presentinho (uma camisa linda de caveirinhas da Pera) mandado pela Thayse Pereira.

Teve um momento engraçado, porque enquanto a equipe conversava com a Ana, eu e o Marco, que estávamos um pouco distantes, aproveitamos o tempo livre e o espaço, pra darmos uma ensaiada na nossa coreografia do casamento (acho que a espontaneidade sugerida pela Ana durante as fotos, fez com que mais uma vez fôssemos nós mesmos e nos permitiu esse ensaio da dança) e quando percebemos, estávamos sendo filmados!!!!! Não sei se vai aparecer na reportagem mas morremos de vergonha!

Eu, Jordana e Ana Corrêa.

O programa vai ao ar nesse sábado às 11:40 da manhã, na RBS (parece que tem uma reprise posterior na TVCOm mas não sei exatamente quando). Coincidentemente nessa hora vamos estar, junto com a Ana Corrêa, no nosso almoço de casamento civil, quando estarão reunidas pessoas muito queridas. Nossos pais, todos os padrinhos, as daminhas e suas famílias. Acho que vai ser divertido assistirmos todos juntos a reportagem.

Quando ela for ao ar na internet, eu posto o link aqui.

É, a semana nem acabou mas já esta sendo MEGA agitada, tanto por acontecimentos bons, quanto por outros nem tanto. Mas ce la vie.

Então finalizo deixando meus sinceros agradecimentos aos rapazes (achei essa uma boa definição deles), mais uma vez, do “Café com Polêmica”, pelo espaço cedido à mim para falar sobre um assunto que eu tanto gosto de escrever e de estudar. E à Ana Corrêa e a equipe do Patrola, por terem nos dado essa oportunidade de guardar mais um momento especial referente ao nosso tão sonhado casamento.

E não é que esses dois acontecimentos vem puxando outras oportunidades ligadas ao que eu tenho como meta de vida hoje?!?! Já diria o famoso e antigo livro “O segredo” e o livro “O foco define a sorte”, quando construímos metas, quando nos focamos nelas e quando mandamos para o universo pensamentos positivos, tudo vai acontecendo da forma como desejamos! E viva essa força invisível e poderosa do Universo.

Logo eu volto queridos leitores. Estou AMANDO as mensagens deixadas aqui no blog ou em outro meio de comunicação. Vocês não imaginam como cada palavra escrita, como cada elogio feito, como cada vez que vocês se identificam com o que eu escrevo, faz com que eu mais certeza de que estou no caminho certo rumo aos meus objetivos, ao desconhecido (lembram da nossa querida Vasalisa?), que na verdade já nem me é mais tão desconhecido assim. O meu abraço no “Café com Polêmica” aos leitores foi sincero, foi verdadeiro e foi merecido!

Então bóra fazer esse resto de semana da melhor maneira que escolhemos fazer. Porque como eu sempre digo, somos as escolhas que fazemos e se escolhemos aquilo que realmente queremos, tudo há de dar certo.

Deixo um texto que escrevi ontem, num momento de certa dor mas que eu escolhi transformar em um momento de inspiração.

beijo beijo

Post Extraordinário – “O anel – quanto você vale?”

Apesar de eu ter dito que estou bem sem tempo, por causa de uma situação que vivi hoje, lembrei de uma história muito legal contada pela minha coaching Ana Garlet, e que eu acredito que tem muita relação com um momento que estou vivendo.

Espero que vocês também gostem da leitura.

O Anel

Quanto você vale?

– Venho aqui, professor, porque me sinto tão pouca coisa, que não tenho forças para fazer nada. Dizem-me que não sirvo para nada, que não faço nada bem, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me valorizem mais?

O professor, sem olhá-lo, disse:

– Sinto muito meu jovem, mas não posso te ajudar, devo primeiro resolver o meu próprio problema. Talvez depois. 

E fazendo uma pausa, falou:

– Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e depois talvez possa te ajudar.

– C…claro, professor, gaguejou o jovem, que se sentiu outra vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu professor. O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno e deu ao garoto e disse:

– Monte no cavalo e vá até o mercado. Devo vender esse anel porque
tenho que pagar uma dívida. É preciso que obtenhas pelo anel o máximo possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível. 

O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, começou a oferecer o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até quando o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saíam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel. Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava as ofertas.

Depois de oferecer a jóia a todos que passaram pelo mercado, abatido pelo fracasso montou no cavalo e voltou. O jovem desejou ter uma moeda de ouro para que ele mesmo pudesse comprar o anel, assim livrando a preocupação e seu professor e podendo receber ajuda e conselhos. Entrou na casa e disse:

– Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir 2 ou 3 moedas de prata, mas não acho que se possa enganar ninguém sobre o valor do anel. 

– Importante o que disse, meu jovem, contestou sorridente o mestre. – Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá até o joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vendê-lo e pergunte quanto ele te dá por ele. Mas não importa o quanto ele te ofereça, não o venda. Volte aqui com meu anel.

O jovem foi até o joalheiro e lhe deu o anel para examinar. O joalheiro examinou-o com uma lupa, pesou-o e disse:

– Diga ao seu professor, se ele quiser vender agora, não posso dar mais que 58 moedas de ouro pelo anel. 

O jovem, surpreso, exclamou:

– 58 MOEDAS DE OURO!!!

– Sim, replicou o joalheiro, eu sei que com tempo poderia oferecer cerca de 70 moedas , mas se a venda é urgente…

O jovem correu emocionado para a casa do professor para contar o que ocorreu.

– Sente-se, disse o professor, e depois de ouvir tudo que o jovem lhe contou, disse:  

– Você é como esse anel, uma jóia valiosa e única. E que só pode ser avaliada por um expert. Pensava que qualquer um podia descobrir o seu verdadeiro valor???

E dizendo isso voltou a colocar o anel no dedo.

– Todos nós somos como esta jóia: únicos e valiosos. Infelizmente, passamos a vida andando por todos os mercados da vida, barateando nosso próprio valor, pretendendo que pessoas mal preparadas nos valorizem. Ninguém deveria ter a força de nos fazer sentir inferior, sem o nosso consentimento. Cada um de nós é especial, pois foi Deus que nos fez.

Não sei se a fonte é segura, mas achei essa na Internet, depois vou pesquisar melhor. Fonte: Do livro “Auto-estima”, de Miguel Angel Montoya e Carmen Elena Sol  Editoria Pax.

    “Não se julguem melhores do que realmente são. Ao contrário, sejam modestos nos seus pensamentos, e cada um julgue a si mesmo conforme a fé que Deus lhe deu”. Romanos 12.3

beijo beijo

Café com Polêmica – Eu participei!

E segunda à noite, eu gravei como convidada, uma participação no Programa Café com Polêmica.

E apesar de não gostar muito de café e andar fugindo de polêmicas, foi uma experiência muito legal. É um programa gravado por 3 “sujeitos” (já que eu não posso chamá-los nem de meninos, nem de homens, porque fica muito sério, e “caras” soa muito brow) que moram aqui em Florianópolis  e que a cada semana discutem sobre alguns assuntos polêmicos, às vezes com a presença de convidados, às vezes não. Como eu conheço um deles, porque ele é marido de uma amigona, e sabe que eu escrevo num blog, me convidou pra falar sobre algum tema relacionado à mulher.

Eu sempre digo que adoro estudar, ler e observar o universo feminino (mas estou longe de ser analista de relacionamentos, como eles me descreveram na Fan Page do Programa, ok???). Mas confesso que não foi fácil falar sobre isso no meio de 3 homens e sentada numa cadeira chamada de “Cadeira da Inquisição”!

Ainda mais pelo fato de ter que falar, porque apesar de eu gostar de falar, num modo geral, sou melhor escrevendo. Na hora que eles davam início a gravação, eu travava. Não sabia usar o microfone, ficava sem reação, enfim…agora é esperar chegar quinta feira pra matar minha curiosidade e deixar que o meu superego chicoteie as minhas costas.

Fui com a intenção de falar sobre um tema do qual eu já escrevi bastante, “A liberdade como forma de prisão”, que foi um termo que eu escutei da Mirian Goldenberg na Casa Tpm e que resume muito do que eu também penso, sobre a forma errônea em que muitas vezes nós fazemos uso da nossa liberdade. Pra quem quiser ler tem alguns posts sobre o assunto (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

Mas na hora do “vamos ver”, eu me perdi um pouco no assunto, ficava sem saber como responder as tiradas deles. Porque por mais que eu soubesse que o Programa pede esse tom de polêmica sobre os assuntos, e apesar de eu já ter sido de certa forma, uma pessoa polêmica, com vários opiniões críticas sobre tudo que é tema, hoje eu já não me sinto mais tão confortável nesse meio. Ainda tenho algumas opiniões particulares, mas acho que as ideias do não julgamento, de que cada um é responsável pelas suas escolhas, que ninguém é culpado de nada que tem relação com a atitude ou a falta dela, de outra pessoa e mais todas as mensagens que eu vivo repetindo aqui, essa coisa de polemizar já não cabe mais em mim. Admiro muito quem faz, adoro ler pessoas polêmicas, pessoas que questionam, pessoas que colocam a boca no trombone mesmo, pessoas com um sarcasmo inteligente….afinal, graças à elas, é que muita coisa muda nesse nosso país, por exemplo. Mas hoje essa não é mais a minha meta!

Então, apesar de eu ODIAR minha voz gravada (parece  que eu sou uma patricinha chata – e será que não sou?), apesar de não ter dito tudo o que eu queria dizer, apesar de eu ser muito melhor escrevendo do que falando, a experiência foi super válida. Deu pra sentir o que me espera pela frente, se o meu objetivo for mesmo focar num trabalho em que eu atinja e interaja com o público. E eu procurei deixar claro no Programa, antes que se polemize algo que não é pra ser polêmico, que não sou feminista e muito menos, contra o trabalho das feministas vorazes, ok? Sempre digo que cada um luta com as armas que tem. O intuito foi o de compartilhar a simples ideia de que hoje podemos fazer as nossas próprias escolhas, diante de todas as opções que nos foram oferecidas, graças à luta de algumas mulheres, pela liberdade, ao longo dos tempos.

Amanhã tento postar o link pra vocês ouvirem (e rirem) da minha participação. Ou curtam a Fan Page do Programa no Facebook e acompanhem os comunicados sobre a minha participação.

E hoje à tarde eu e o Marco, junto com a nossa querida fotógrafa do casamento Ana Côrrea, vamos dar uma entrevista pro programa Patrola, que passa aqui na RBS SC, afiliada da Globo. Apesar de ser na televisão dessa vez, acho que a ausência de tiradas vai me deixar mais a vontade pra falar. Fora que o assunto não é nem um tiquinho polêmico!

E a vida esta mega corrida por causa do casamento. Hoje é o último dia pros convidados confirmarem presença, ontem tive uma reunião de tarde inteira com a cerimonial, sexta é a entrega do vestido de noiva, sábado temos um almoço de casamento civil com os padrinhos…ontem fiquei até 3 da manhã atualizando planilhas, resolvendo pendências, entupindo a caixa de emails dos fornecedores. Agora ainda preciso me arrumar, que tenho que entregar uns convites, ir no salão fazer uma maquiagem pra entrevista, ir pra entrevista, resolver mais umas coisas na rua e depois tenho a minha terapia das Lobas.

Ufa. E isso é só um dedo de tudo o que eu tenho que fazer.

Mas eu ei de dar conta. O primeiro passo é dar tchau pra vocês!

Até breve (será?).

beijos

 

Os 10 “pecadinhos” aceitáveis.

Hoje teve post meu no blog “Delicinhas de Pera”, falando um pouco sobre relacionamentos.

E pegando carona no assunto sobre o qual escrevi lá, decidi falar também um pouco sobre ele aqui, nesse blog que vos escreve.

Como eu tenho dito, apesar de já morar há 3 anos com o Marco, os preparativos e a aproximação do casamento, vem fazendo com que eu reflita mais sobre o tema “Relacionamento a dois”. E foi na sexta feira passada, durante um almoço em que estávamos só eu e o Marco, e depois de eu ter lido um pouco mais sobre quem foi Simone de Beavouir, que decidi fazer um exercício sugerido pela minha coaching.

A ideia é que cada um liste 10 pecados, no sentido de coisas que não gosta que o outro faça, que você se dispõe a aceitar/tolerar. Porque vamos combinar, que mesmo quem vive um relacionamento bacana, aonde uma das partes geralmente esta disposta a mudar um pouquinho, pra agradar a outra ou a se adaptar a outra, existem algumas manias ou características nossas, que nem por um decreto, ou mesmo depois de inúmeras discussões, vamos conseguir deixar de ter.

Ó, o exercício é pra ter uma conotação positiva, ok? Pelo menos eu e o Marco demos muitas risadas fazendo ele.

Se o casal não possui grandes questões a serem resolvidas entre os dois, esses 10 “pecadinhos”, provavelmente vão tratar de questões de natureza tola e corriqueira. Como deixar a roupa jogada no chão ou não tirar o sapato quando chega em casa. E assim, lembre-se que depois de os dois terem feito suas listas, cada vez que o outro, como já é de costume, cometer um dos pecados que estão na sua lista, você não poderá recrimina-lo e nem iniciar uma discussão por conta disso. Por isso, pense bem no que pode ser negociado entre vocês dois ao elaborar essa lista.

Tudo isso serve para que nós nos atentemos ao fato de que alguns motivos pelos quais nos irritamos diariamente, não são assim, tão plausíveis de pertubação da paz do outro e da sua mesmo. Que se o seu companheiro insiste em deixar suas chaves em cima da mesa da sala, mesmo você tendo pendurado na parede um utensílio específico pra isso, não significa que vocês tenham que brigar. Porque são justamente esses desgastes do dia a dia, muitas vezes totalmente desnecessários, que podem contaminar um amor, que na sua essência é super bacana e verdadeiro. E no decorrer dos dias, após vocês terem feito suas listas, pode ser que o outro sem perceber, mude. Pode ser que vocês passem a não brigar tanto, por motivos pequenos e que passem a se amar mais por estarem se respeitando mutuamente.

Só pra exemplificar o exercício, e talvez deixar mais clara a sua proposta, vou enumerar alguns dos pecados inseridos da minha lista e na do Marco:

“10 pecadinhos aceitáveis” – por mim:

– abstrair o acúmulo de dezenas de papéizinhos no aparador ao lado da porta de entrada (vocês não imaginam o quanto isso me irrita-VA e o tanto de tempo que eu já perdi na vida tentando organizar a desorganização do Marco).

– respeitar o fato de você ser viciado em assistir televisão (antes eu ficava horas e horas discursando sobre o prejuízo desse costume, mas hoje eu aproveito pra ler os meus livros ou fazer outras coisas que eu gosto de fazer, sozinha).

– ignorar as chaves jogadas em cima da mesma (agora ou eu ignoro mesmo ou eu mesma penduro atrás da porta).

– aceitar o fato de que você às vezes é muito negativo no seu modo de enxergar as coisas (há um tempo atrás eu tentava fazer com que o Marco visse as situações por um outro ponto de visto, hoje eu apenas sorrio porque sei que esse é o jeito dele, é tudo que ele tem pra oferecer nesse momento).

“10 pecadinhos aceitáveis” – pelo Marco:

– abstrair que você sempre toma quase toda a água que eu levo pro quarto antes de dormir (não vou me justificar porque ele não esta aqui pra se defender…hahahaha…mas ele ficava muito brabo por isso. Principalmente pelo fato de que eu sou viciada em água, então quando bebo, bebo quase uma garrafa inteira).

Ficou claro o exemplo? A lista do Marco, ainda esta bem incompleta (ou porque eu sou quase perfeita ou porque ele não esta afim de negociar nenhum pecadinho meu) mas tem alguns itens que são de ordem totalmente particular, então, não pude compartilhar com vocês.

Pensando sobre esse exercício, percebi que mesmo eu sendo super adepta de uma boa organização, não vou morrer se o Marco não pendurar as chaves ou não organizar os seus papéis. Porque essa é uma característica dele e ele tem tantas qualidades, que eu prefiro abstrair e respeitar o que eu não gosto, com o fim de viver uma relação mais pacífica e legal com ele. E tudo o que eu enumerei na minha lista, realmente são questões passíveis de aceitação. Mas tem coisas como “não prestar atenção quando eu estou falando” ou “escutar a televisão no volume máximo”, que eu não aceitarei jamais e que eu acredito que ele possa melhorar pra que nosso caminho aconteça de uma forma mais harmônica.

Só mais um detalhe. Fiquem atentos para jamais iniciarem a frase com um “não”, porque segundo a minha coaching, quando analisa os meus deveres de casa, o cérebro não lê essa parte e fixa exatamente no que vem depois dela. Por exemplo, se eu digo “Não brigar mais porque…”, ele vai focar no verbo “brigar” e toda a magia da brincadeira vai por água abaixo.

Então bóra sentar com o companheiro e exercer essa tentativa de buscar uma relação melhor?

Depois me contem como foi.

Boa semana, que a minha esta cheia de novidades legais, que depois eu conto pra vocês.

beijo beijo

“Happy, sha lá lá…everybody should be Happy!”

E essa semana ouvi muito como estou irradiando felicidade (até da Argentina recebi uma mensagem que me dizia isso). Que beleza receber esse carinho e reconhecimento das pessoas! Ainda mais quando estamos acostumados a só recebermos críticas.

Estou sem muito tempo pra escrever, então deixo um vídeo de uma música bem antiga (que me foi lembrada por uma prima querida), que fala sobre felicidade e que só pela sua melodia, já nos faz cantar e querer dançar!

E essa foto, fruto de um momento de pura felicidade, com uma mensagem que escrevi ontem, durante uma tarde muito feliz!!

Então bóra ser feliz!

Bom final de semana!

beijo beijo

Pensem numa pessoa feliz…

E ontem finalmente conseguimos matar a nossa curiosidade e ver algumas das fotos do ensaio pro casamento, que fizemos na semana passada.

Juro que fiquei sem palavras, então vou deixar só as fotos mesmo no post de hoje, falarem por si.

Ana, adorei o seu texto no seu blog. Realmente eu sou bem organizada (cheia de listas), adoro bicicletas (não de andar mas delas em algum cenário), o Marco ama surfar e nós geralmente nos entendemos com um olhar sim. Por isso as fotos realmente só retrataram um pouco da nossa felicidade.

Aqui, as que mais gostamos…

 

 

Demais, não????

Estamos encantados!!!!

beijo beijo