Cara a cara com a bruxa megera.

Parênteses. Escrevi o texto abaixo ontem à tarde. Depois que todo o turbilhão de sentimentos se aquietou aqui dentro, desatei a escrever sobre o que venho aprendendo no meu Curso/terapia semanal. Coisa que vinha querendo fazer há muito tempo. E isso tudo só confirma a ideia de que nem tudo o que parece, é. Nem sempre nos depararmos com uma situação ruim, é algo ruim. Logo vocês vão entender o que eu estou dizendo. E se preparem que semana que vem vai ser um bombardeio de textos que foram resultados desse meu choque de realidade no encontro com a minha bruxa megera. Logo vocês vão entender, eu ainda não pirei, juro. Fecha parênteses.

Desde que eu decidi dedicar mais tempo à esse blog, procurei todo dia postar alguma coisa. Como uma pessoa normal, durante a minha vida, oscilo períodos de completa reflexão e períodos em que vou simplesmente tocando a vida.E isso se reflete aqui no blog. Às vezes posto textos com mais conteúdo, mais complexos, buscando fazer com que vocês, meus queridos leitores, parem um pouco e se questionem também, como eu ando fazendo, sobre como anda a sua alma. Noutras vezes posto textos mais simples, mais leves, como a indicação de livros, de eventos, histórias do meu João.

Há umas semanas atrás, depois da minha Constelação e assim que eu entrei para o meu grupo das Lobas (que é como chamamos quem faz a terapia em grupo que estuda o livro “Mulheres que correm com os lobos”), mergulhei numa fase de completa introspecção. Lia, ouvia, refletia e não conseguia parar de escrever. Como eu já falei aqui antes, é escrevendo que eu me expresso melhor, que eu organizo os meus pensamentos e que consigo me sentir um pouco mais leve. Mas há uns dias atrás, saí desse meu casulo e fui viver de uma forma mais desacelerada de sentimentos. Não completamente, afinal eu estou num ano de profundo aprendizado. Mas eu vinha simplesmente vivendo, por conta de outras decisões mais práticas que tive que tomar, principalmente quanto ao planejamento do casamento. Saí um pouco dessa vibe de pessoa profunda na busca do meu self e engatei o automático.

Porém, todavia, entretanto, mais uma vez, a vida me jogou nos meus eternos questionamentos, confusões, ausências de saber que caminho escolher. Como mesmo falamos lá no grupo das Lobas (que eu juro que logo falo mais sobre ele), mais uma vez me deparei com a figura da bruxa megera, que representa o lado não tão bonito da realidade. Porque como aprendemos lá, nem tudo é o que parece, e a figura dessa bruxa horrorosa, que tem no conto que estamos trabalhando, não significa que ela seja uma coisa ruim. O motivo pelo qual às vezes precisamos parar um pouco e pensar sobre o que anda incoerente na nossa vida, pode assustar no início, mas isso não significa que ele seja algo ruim. A realidade nem sempre se apresenta como uma linda princesa de longos cachos dourados. A realidade é real, como mesmo já diz o seu nome, ela se apresenta da forma como tem que se apresentar. E quando estamos diante dessa megera, de nariz grande, cheia de verrugas, precisamos estar preparados para encará-la e então absorver tudo o que ela tem para nos ensinar.

O texto vai ser longo mas eu preciso fazer um adendo. Muitas vezes quando eu discorro aqui sobre determinados assuntos, principalmente esses mais complexos e ligados à psique, tento não ficar me explicando, tendo não ficar me justificando sobre o porquê de eu estar falando sobre eles. Porque na minha vida eu já cansei de ficar sempre dando explicações sobre tudo, justificando-me, desculpando-me. Digo e repito, esse blog leva o meu nome e nele eu falo sobre o que eu quiser. Aprendi, a duras penas, escolher agradar à mim mesma e não à todas as outras pessoas. Aceito sugestões claro, mas desprezo os julgamentos, sem querer parecer arrogante. Mas me lê quem quer e eu adoro a infinidade de elogios que eu recebo. Não que eu só goste de quem me aceita do jeito que eu sou mas porque hoje eu me aceito do jeito que eu sou, não pretendo me modificar pelo que outra pessoa acha de mim. Quer vir me dar um conselho, ótimo, mas o faça de uma maneira agradável, pra que eu não me afaste e nem te escute.

Mas como uma pessoa insegura que sempre fui (leia-se fui), que não se julgava merecedora dos elogios, sempre estive munida de mil explicações e justificativas para o que fazia. E assim, cá estou eu, um pouco mais evoluída, mas mais uma vez me explicando, tentando mostrar pra algumas pessoas, que quando eu fico aqui divagando sobre tudo o que eu venho aprendendo, não significa que me considero uma pessoa melhor do que ninguém e nem que me considero uma pessoa no seu alto nível de evolução. Escrevo porque quero compartilhar com as pessoas, tudo o que eu venho aprendendo. E eu aprendo um pouco a cada dia.

Já recebi muitos rótulos nessa vida. Crítica, egoísta, dona da razão. E depois que eu passei da fase da adolescência, que é quando achamos que sabemos tudo, fui procurar entender o porquê de as pessoas me tacharem assim. Eu sou crítica? Sim, muito. Posso mudar? Não, isso esta na minha essência. Mas eu posso melhorar, posso usar essa minha característica, que já achei que fosse um defeito, como uma qualidade. Há os que se conformam com a vida e há os que vão em busca de mudanças Isso é ser crítica, ou polêmica? Como já ouvi me chamarem também. Pois bem, então eu sou uma pessoa crítica e polêmica. Mas sempre transparente e o mais justa que consigo ser. Eu sou egoísta, só penso em mim? Não empresto as minhas coisas, me coloco em primeiro lugar? Sim, penso muito em mim e sempre procurei pensar em mim primeiro lugar. Mas também acho que já passei da fase do egoísmo idiota, àquele ligado à mesquinharia, do apego às coisas materiais, do passar por cima dos outros pra pegar o melhor lugar no teatro, por exemplo. Hoje eu procuro transferir esse meu lado egoísta para o fato de que eu posso e devo pensar em mim primeiramente. Um exemplo clássico disso aconteceu depois que eu me tornei mãe. Na maternidade, o nosso ego muda de posição, a gente querendo ou não. O bem estar do meu filho sempre vem em primeiro lugar. Mas isso não quer dizer que eu vá me anular por causa dele. Ele pode ficar na minha sogra, por exemplo, pra eu ir ao cinema, fazer uma terapia ou simplesmente não fazer nada e ficar em contato comigo mesma? Claro que pode! E isso não me torna uma mãe ruim, torna-me uma mãe feliz, satisfeita e consequentemente, uma mãe melhor.

Tudo isso é para que, quem ainda não entendeu a mensagem (e eu não vou desenhar pra vocês) entenda de uma vez, que o que eu eu quero passar com alguns dos meus textos, quando eu divago sobre os caminhos que venho trilhando na busca de ser uma pessoa melhor pra mim e consequentemente para os que me cercam, eu não estou sendo uma pessoa prepotente, que te olha de cima, achando que você não é alguém também especial, também capaz. Escrevo pra compartilhar com você e quem sabe te fazer pensar sobre as coisas, como eu mesma venho fazendo. Mas como ando na vibe do “não se dá conselhos pra quem não quer ouvir”, te digo, sem pretensões, que se o que eu falo aqui não te toca da forma como eu queria que tocasse, te aconselho a ir ler sobre outra coisa. De boa, na boa. Eu venho aprendendo muito que não adianta querermos mudar a atitude dos outros mas que podemos e devemos mudar a nossa atitude perante os outros. Pra quem fica dizendo que eu virei uma chata, demagoga, dona da razão, a minha reação será o afastamento, não por submissão mas por respeito à você. A minha mudança de atitude é de não deixar mais pessoas que pensem assim, me atingirem. Porque eu já fiz isso demais, quase a vida inteira. Mas agora não. Às vezes, até posso ainda me matar de chorar quando chegar em casa, depois de me deparar com alguém assim, porque nem sempre quando nos encontramos com a bruxa megera, temos a coragem de encará-la e seguir em frente confiante. Mas quando eu me paralisar diante dela, posso até não conseguir dar um passo adiante, mas confiando em mim e na minha capacidade, te asseguro que não darei um passo para trás.

Não entendam isso como uma lição de moral mas como um desabafo de alguém que não fica mais esperando um pedido de desculpas, mas que torce pra que essa pessoa reflita sobre a merda que falou.

Bom final de semana minha gente.

beijo beijo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s