Minhas “It women´s” II

Abre parênteses. Ontem o meu texto no blog Delicinhas de Pera rendeu ao blog 418 acessos. Legal, né? Recebi novamente diversos elogios e eu fico muito feliz com eles yey continuem elogiando !! Realmente o texto é muito bonito e como foi escrito com o coração automaticamente se fez assim! E pensar que esse número de pessoas entrou lá e leu alguma coisa que eu escrevi, só me estimula a escrever mais e mais agora me aguentem !! Fecha parênteses.

Essa era uma continuação do post anterior sobre minhas “It women´s” mas achei melhor dividi-lo pra não ficar muito longo. Aqui conto um pouco mais sobre uma outra mulher que eu admiro muito…

Encontro na Saraiva

A minha outra “it women” é a Márcia Tiburi. Sei que agora muita gente vai discordar de mim ou não vai me entender. Mas desde que eu conheci ela no programa Saia Justa, gostei dela, uma coisa de santo, empatia, sabe? Mas vou tentar me explicar um pouco. Eu sou uma pessoa chata por excelência. Já escutei esse adjetivo de “n” pessoas (depois de escrever esse texto perguntei pro maridex se eu era chata e demos risada sobre o assunto, mas ele disse que eu já fui mais!!!). Chata porque sou muito crítica, chata porque às vezes sou muito metódica, chata porque não sorrio pra todo mundo, chata porque sou um pouco egoísta, chata porque às vezes sou grossa (grossa e chata, que beleza), chata porque não tenho paciência com gente lerda…ta, entenderam já né? Até uma amiga minha brinca que eu sou a amiga mais chata-legal que ela conhece. Confesso que já me incomodei  e já sofri muito por ser assim, às vezes eu quero morrer pelas minhas chatices mas às vezes me respeito e tento me compreender (os chatos sempre se confundem com os justos). Claro que eu sempre estou tentando melhorar (e dá-lhe boleta) e até acho que já melhorei muito mas tem pessoas e situações que realmente só vão conhecer o meu lado CHATA! Eu sempre digo que de quem eu gosto, eu gosto mesmo, mas quem me instiga a ser chata…rá…se você é puxa-saco, faz voz de patricinha, demora muito pra decidir alguma coisa, é lerdo em atendimento, é do tipo engraçadinho ou quer aparecer mais que todo mundo…prazer, eu sou a Juliana mais chata do universo! Mas tudo é questão de dia também! Tem dia que pode a balada inteira furar a fila do banheiro na minha frente que eu não to nem aí, mas tem dia que basta alguém fingir que entrou no banheiro pra “se olhar no espelho” que…e agora que eu to fazendo Muay Thai então…hahaha…brincadeira! Sou totalmente contra violência física mas uma boa discussão às vezes faz parte!

Mas do que eu tava falando mesmo? Ah da Márcia Tiburi. Quem não gosta dela geralmente diz que é porque ela divaga muito sobre as coisas (afinal ela é uma filósofa) ou porque geralmente é do contra (o time do qual eu geralmente faço parte, sem querer nem de longe me comparar a ela). Mas eu sempre simpatizei com a figura dela. E mais uma vez não estou falando somente da sua escrita (os seus livros também não são de tão fácil leitura), estou falando da pessoa dela em si. Com aquele jeito “to-nem-aí-pra-moda” (não que se arrume mal mas pelo que eu leio não dá muita importância pra isso) e refletindo sobre tudo! Adorava as opiniões dela no Saia e principalmente o fato de ela sempre, elegantemente, discordar da Luana Piovani (odeio de morte, cuspia nela se encontrasse na rua, desculpa mãe) e na Maitê (adoro os livros, não suporto a pessoa). Daí que um dia, não me lembro a sequência exata dos fatos, mandei um email dizendo que adorava ela (que medo Juliana, isso é perseguição), ela respondeu, eu respondi, nos correspondemos, encontrei ela na Saraiva aqui de Floripa, a minha mesa virou a mesa de autógrafos, eu congelei na frente dela (minha mãe que falava por mim), trocamos mais emails, combinamos de nos encontrar em SP quando eu morei lá mas nunca rolou, meu primo fotografou ela pela Folha de São Paulo, trocamos mais emails, um dia chegando no Hotel pra trabalhar vi ela saindo do mesmo (ela não sabia que o Hotel que a UFSC a hospedou era o mesmo pra onde eu vivia convidando ela pra vir), trocamos cartas pela recepção do Hotel porque nossos horários não coincidiram, eu dei bombons e ganhei mais um livro autografado, trocamos mais emails, eu convidei ela pra ser a entrevistada do meu blog sobre mães (que hoje não existe mais) e ela topou, trocamos mais emails e deu. Ainda vamos nos ver de novo, eu como tiete e ela como escritora/filósofa e vamos conversar, isso se eu conseguir me descongelar. Mas o jeito dela demonstra exatamente esse meu fascínio por essas mulheres que escolhem não pintar mais o cabelo (li numa entrevista dela na Quem) mas que num simples email, te fixam os olhos.

Vou colar um trecho de um dos emails que ela me mandou:

“E continue fazendo, não caia nesta ideologia maternalista (a meu ver contra as mulheres) que obriga quem tem filho a virar uma dona de casa e uma mãe em tempo integral. Não podemos cair nessa.

Escrevi um artigo que saiu há uns meses pra Revista Cult chamado Mãe Desnaturada. O título era só pra ilustrar como é fácil cair em cima das mulheres com este discurso cheio de padrões de maternidade. Ninguém cai em cima dos homens, não é? Saiu um livro da Elisabeth Badinter chamado O Conflito, a mulher e a mãe. É da ed. Civilização Brasileira, leia.

(…)

Construa uma vida boa pra vc, em paz com o seu desejo e verá que seu filhotinho só tem a ganhar. Ela vai adorar que a mãe dele quer mais da vida do que ficar bajulando o filinho. Assim ele vai ser um homem e não um filhinho da mamãe como tem muito por aí”.

Na época esse email (integral) me ajudou bastante! Um dia eu ainda convido ela pra escrever aqui, já que acabei finalizando o blog em que eu faria a entrevista com ela.

Por hoje era só pessoal!!!

Como amanhã é o dia do show do Paul aqui (sei que tem gente que já esta de saco cheio desse assunto nos sites de relacionamento mas relevem pessoal! Saiam então da internet e vão fazer outra coisa!) vai ficar impossível de eu escrever e quinta é véspera da minha viagem , talvez eu só volte semana que vem. Talvez….

beijo beijo

p.s. só vou abrir mais um parênteses. Na verdade eu nem ia falar sobre isso mas como eu entrei numa “discussão” no facebook agora a pouco sobre pessoas que perdem seus tempos criticando o trabalho dos outros ao invés de viver a sua vida ou entrar em blogs do seu interesse, vou deixar essa mensagem aqui. Há umas semanas uma menina que se intitula de “Joana Almeida” (até tenho IP aqui mas nem me dei ao trabalho de pesquisar da onde é) deixou um recado num post meu escrito “Gabriela Faraco feelings“…até mandei email pra ela perguntando o que ela quis dizer com isso mas em tradução literal o recado quer dizer mais ou menos que o meu blog quer parecer com o da Gabi ou algo do tipo. Primeiro que eu não falo sobre moda, segundo que quase todas as blogueiras colocam fotos da sua semana ou do final dela (que seria a única coisa semelhante entre os nossos blogs) e terceiro que eu tenho blog há quinhentos anos e jamais iniciei qualquer tentativa de parecer com o blog de outra pessoa. Adoro a Gabi, adoro o seu blog (tanto que já falei sobre ele aqui e no meu antigo blog várias vezes) mas nunca quis me assemelhar ao trabalho dela. Claro que nem tudo nessa vida a gente inventa. Muitas vezes nos utilizamos de parâmetros já conhecidos e dos quais gostamos para inspirar o nosso trabalho. Mas só. Acho que eu sou criativa o suficiente pra seguir o meu estilo e falar sobre o que eu quero. Ok? Era só povo, desculpem fazer com que vocês perdessem o seu tempo mas decidi nem permitir a publicação desse comentário por aqui porque só aceito aquilo que me faz bem e comentários que me acrescentem!!! Continuem comentando e Joana, acho que esse blog aqui não foi feito pra você.

Anúncios

6 respostas em “Minhas “It women´s” II

  1. seu blog é único ju, o mais diversificado que já vi, acho o máximo todos os conteúdos, inclusive você mostrar seu dia a dia como mãe, esposa, mulher (falta lutadora de muay thai, kkkk) esses blogs (é minha opinião) que só falam de moda, culinária, cinema e só! é um saco! é como se não conhecessemos as pessoas que escrevem, o seu é teu bom, que parece que todos nós te conhecemos, e como te conheço, sei que você não deu a mínima a esse comentariozinho, vc só respondeu por não levar desaforo pra casa, kkkkk, confessa? continue o blog desse mesmo jeito, por favor! ah! comentei até no delicinhas de pera (ótimo tópico este sobre roupas para guris) minha filhota “roqueira” pediu que quando vc pudesse colocasse fotos do joão com a roupa de caveira dele, ela ficou imaginando a cena e me implorando pra te pedir, quer vê lo de rockstar! kkkkk, vamos esperar a volta com mais novidades e as fotinhos dele, beijos a toda tua família e boa viagem.

  2. Pingback: Uma imagem vale mais que mil palavras! | Juliana Baron Pinheiro

  3. Pingback: Juliana indica: Mão de Oito. | Juliana Baron Pinheiro

  4. Pingback: São Paulo e Casa Tpm. | Blog "Psicologando"

  5. Pingback: Márcia Tiburi e as vicissitudes da carreira de escritor. | Blog "Psicologando"

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s